Oração Forte de São Jorge, Antes de Ser Degolado

Bendito sois, Senhor Deus meu, porque permitistes que eu fosse despedaçado pelos dentes daqueles que me queriam e buscavam, e por que não consentistes que meus inimigos ficassem alegres com a vitória. Porque livrastes minha alma, como pássaro, do laço dos caçadores. Pois agora Senhor, também me ouvi: sede comigo nesta última hora e livrai minha alma da maldade dos malignos espíritos e perdoai todos os males que, por ignorância, em mim executaram. Recebei, Senhor, a minha alma com aqueles que, desde o princípio do mundo vos serviram e esquecei-vos de todos os meus pecados que eu, voluntariamente ou por ignorância cometi. Lembra-vos, Senhor dos que recorrem ao Vosso Santo Nome, porque sois vós Santo bendito e glorioso para sempre, Assim seja!

(Rezar um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai).

Esta oração é de grande valor para as pessoas que tenham sido mortas por enforcamento ou por degolamento ou, também, pelas que tenham tido morte súbida.

Salmo 140: Contra inimigos e perfídias

Ao mestre de canto. Salmo de Davi.

  1. Livra-me, SENHOR, do homem perverso, guarda-me do homem violento,
  2. cujo coração maquina iniqüidades e vive forjando contendas.
  3. Aguçam a língua como a serpente; sob os lábios têm veneno de áspide.
  4. Guarda-me, SENHOR, da mão dos ímpios, preserva-me do homem violento, os quais se empenham por me desviar os passos.
  5. Os soberbos ocultaram armadilhas e cordas contra mim, estenderam-me uma rede à beira do caminho, armaram ciladas contra mim.
  6. Digo ao SENHOR: tu és o meu Deus; acode, SENHOR, à voz das minhas súplicas.
  7. Ó SENHOR, força da minha salvação, tu me protegeste a cabeça no dia da batalha.
  8. Não concedas, SENHOR, ao ímpio os seus desejos; não permitas que vingue o seu mau propósito.
  9. Se exaltam a cabeça os que me cercam, cubra-os a maldade dos seus lábios.
  10. Caiam sobre eles brasas vivas, sejam atirados ao fogo, lançados em abismos para que não mais se levantem.
  11. O caluniador não se estabelecerá na terra; ao homem violento, o mal o perseguirá com golpe sobre golpe.
  12. Sei que o SENHOR manterá a causa do oprimido e o direito do necessitado.
  13. Assim, os justos renderão graças ao teu nome; os retos habitarão na tua presença.

Salmo 83: Julgamento de Deus contra as nações inimigas

Cântico. Salmo de Asafe.

  1. Ó Deus, não te cales; não te emudeças, nem fiques inativo, ó Deus!
  2. Os teus inimigos se alvoroçam, e os que te odeiam levantam a cabeça.
  3. Tramam astutamente contra o teu povo e conspiram contra os teus protegidos.
  4. Dizem: Vinde, risquemo-los de entre as nações; e não haja mais memória do nome de Israel.
  5. Pois tramam concordemente e firmam aliança contra ti
  6. as tendas de Edom e os ismaelitas, Moabe e os hagarenos,
  7. Gebal, Amom e Amaleque, a Filístia como os habitantes de Tiro;
  8. também a Assíria se alia com eles, e se constituem braço forte aos filhos de Ló.
  9. Faze-lhes como fizeste a Midiã, como a Sísera, como a Jabim na ribeira de Quisom;
  10. os quais pereceram em En-Dor; tornaram-se adubo para a terra.
  11. Sejam os seus nobres como Orebe e como Zeebe, e os seus príncipes, como Zeba e como Zalmuna,
  12. que disseram: Apoderemo-nos das habitações de Deus.
  13. Deus meu, faze-os como folhas impelidas por um remoinho, como a palha ao léu do vento.
  14. Como o fogo devora um bosque e a chama abrasa os montes,
  15. assim, persegue-os com a tua tempestade e amedronta-os com o teu vendaval.
  16. Enche-lhes o rosto de ignomínia, para que busquem o teu nome, SENHOR.
  17. Sejam envergonhados e confundidos perpetuamente; perturbem-se e pereçam.
  18. E reconhecerão que só tu, cujo nome é SENHOR, és o Altíssimo sobre toda a terra.

Salmo 79: O povo pede castigo contra os inimigos

Salmo de Asafe

  1. Ó Deus, as nações invadiram a tua herança, profanaram o teu santo templo, reduziram Jerusalém a um montão de ruínas.
  2. Deram os cadáveres dos teus servos por cibo às aves dos céus e a carne dos teus santos, às feras da terra.
  3. Derramaram como água o sangue deles ao redor de Jerusalém, e não houve quem lhes desse sepultura.
  4. Tornamo-nos o opróbrio dos nossos vizinhos, o escárnio e a zombaria dos que nos rodeiam.
  5. Até quando, SENHOR? Será para sempre a tua ira? Arderá como fogo o teu zelo?
  6. Derrama o teu furor sobre as nações que te não conhecem e sobre os reinos que não invocam o teu nome.
  7. Porque eles devoraram a Jacó e lhe assolaram as moradas.
  8. Não recordes contra nós as iniqüidades de nossos pais; apressem-se ao nosso encontro as tuas misericórdias, pois estamos sobremodo abatidos.
  9. Assiste-nos, ó Deus e Salvador nosso, pela glória do teu nome; livra-nos e perdoa-nos os pecados, por amor do teu nome.
  10. Por que diriam as nações: Onde está o seu Deus? Seja, à nossa vista, manifesta entre as nações a vingança do sangue que dos teus servos é derramado.
  11. Chegue à tua presença o gemido do cativo; consoante a grandeza do teu poder, preserva os sentenciados à morte.
  12. Retribui, Senhor, aos nossos vizinhos, sete vezes tanto, o opróbrio com que te vituperaram.
  13. Quanto a nós, teu povo e ovelhas do teu pasto, para sempre te daremos graças; de geração em geração proclamaremos os teus louvores.

Salmo 68: A vitória de Deus sobre os seus inimigos

Ao mestre de canto. Salmo de Davi. Cântico.

  1. Levanta-se Deus; dispersam-se os seus inimigos; de sua presença fogem os que o aborrecem.
  2. Como se dissipa a fumaça, assim tu os dispersas; como se derrete a cera ante o fogo, assim à presença de Deus perecem os iníquos.
  3. Os justos, porém, se regozijam, exultam na presença de Deus e folgam de alegria.
  4. Cantai a Deus, salmodiai o seu nome; exaltai o que cavalga sobre as nuvens. SENHOR é o seu nome, exultai diante dele.
  5. Pai dos órfãos e juiz das viúvas é Deus em sua santa morada.
  6. Deus faz que o solitário more em família; tira os cativos para a prosperidade; só os rebeldes habitam em terra estéril.
  7. Ao saíres, ó Deus, à frente do teu povo, ao avançares pelo deserto,
  8. tremeu a terra; também os céus gotejaram à presença de Deus; o próprio Sinai se abalou na presença de Deus, do Deus de Israel.
  9. Copiosa chuva derramaste, ó Deus, para a tua herança; quando já ela estava exausta, tu a restabeleceste.
  10. Aí habitou a tua grei; em tua bondade, ó Deus, fizeste provisão para os necessitados.
  11. O Senhor deu a palavra, grande é a falange das mensageiras das boas-novas.
  12. Reis de exércitos fogem e fogem; a dona de casa reparte os despojos.
  13. Por que repousais entre as cercas dos apriscos? As asas da pomba são cobertas de prata, cujas penas maiores têm o brilho flavo do ouro.
  14. Quando o Todo-Poderoso ali dispersa os reis, cai neve sobre o monte Zalmom.
  15. O monte de Deus é Basã, serra de elevações é o monte de Basã.
  16. Por que olhais com inveja, ó montes elevados, o monte que Deus escolheu para sua habitação? O SENHOR habitará nele para sempre.
  17. Os carros de Deus são vinte mil, sim, milhares de milhares. No meio deles, está o Senhor; o Sinai tornou-se em santuário.
  18. Subiste às alturas, levaste cativo o cativeiro; recebeste homens por dádivas, até mesmo rebeldes, para que o SENHOR Deus habite no meio deles.
  19. Bendito seja o Senhor que, dia a dia, leva o nosso fardo! Deus é a nossa salvação.
  20. O nosso Deus é o Deus libertador; com Deus, o SENHOR, está o escaparmos da morte.
  21. Sim, Deus parte a cabeça dos seus inimigos e o cabeludo crânio do que anda nos seus próprios delitos.
  22. Disse o Senhor: De Basã os farei voltar, fá-los-ei tornar das profundezas do mar,
  23. para que banhes o pé em sangue, e a língua dos teus cães tenha o seu quinhão dos inimigos.
  24. Viu-se, ó Deus, o teu cortejo, o cortejo do meu Deus, do meu Rei, no santuário.
  25. Os cantores iam adiante, atrás, os tocadores de instrumentos de cordas, em meio às donzelas com adufes.
  26. Bendizei a Deus nas congregações, bendizei ao SENHOR, vós que sois da estirpe de Israel.
  27. Ali, está o mais novo, Benjamim, que os precede, os príncipes de Judá, com o seu séquito, os príncipes de Zebulom e os príncipes de Naftali.
  28. Reúne, ó Deus, a tua força, força divina que usaste a nosso favor,
  29. oriunda do teu templo em Jerusalém. Os reis te oferecerão presentes.
  30. Reprime a fera dos canaviais, a multidão dos fortes como touros e dos povos com novilhos; calcai aos pés os que cobiçam barras de prata. Dispersa os povos que se comprazem na guerra.
  31. Príncipes vêm do Egito; a Etiópia corre a estender mãos cheias para Deus.
  32. Reinos da terra, cantai a Deus, salmodiai ao Senhor,
  33. àquele que encima os céus, os céus da antiguidade; eis que ele faz ouvir a sua voz, voz poderosa.
  34. Tributai glória a Deus; a sua majestade está sobre Israel, e a sua fortaleza, nos espaços siderais.
  35. Ó Deus, tu és tremendo nos teus santuários; o Deus de Israel, ele dá força e poder ao povo. Bendito seja Deus!

Salmo 64: Proteção contra os inimigos

Ao mestre de canto. Salmo de Davi.

  1. Ouve, ó Deus, a minha voz nas minhas perplexidades; preserva-me a vida do terror do inimigo.
  2. Esconde-me da conspiração dos malfeitores e do tumulto dos que praticam a iniqüidade,
  3. os quais afiam a língua como espada e apontam, quais flechas, palavras amargas,
  4. para, às ocultas, atingirem o íntegro; contra ele disparam repentinamente e não temem.
  5. Teimam no mau propósito; falam em secretamente armar ciladas; dizem: Quem nos verá?
  6. Projetam iniqüidade, inquirem tudo o que se pode excogitar; é um abismo o pensamento e o coração de cada um deles.
  7. Mas Deus desfere contra eles uma seta; de súbito, se acharão feridos.
  8. Dessarte, serão levados a tropeçar; a própria língua se voltará contra eles; todos os que os vêem meneiam a cabeça.
  9. E todos os homens temerão, e anunciarão as obras de Deus, e entenderão o que ele faz.
  10. O justo se alegra no SENHOR e nele confia; os de reto coração, todos se gloriam.